Porque o feminismo é um tiro no pé das mulheres (e da sociedade)?

Uma das mais simples porém profundas lições que nós humanos imbecis constantemente falhamos em aprender é que todas as nossas ações geram consequências que muitas vezes não podemos antecipar.

Algumas vezes as consequências de nossas ações tomam um rumo COMPLETAMENTE contrário ao do nosso objetivo original.

O feminismo é um desses casos, porém, poucos homens se atentaram a este fato. Muitos paspalhões ainda não sacaram o que é o feminismo e qual a consequência dessa brincadeira social em nossa realidade.

Em poucas palavras e neste post do blog, conseguimos mandar a real sobre as causas e conseqüências de décadas de feminismo. Vamos fazer um bate-bola rápido e honrado sobre o feminismo, citando links do blog de Silvio Koerich que há tempos vêm desmascarando argumentos hipócritas das feministas e trazendo pesquisas poderosas que nos dão razão.

Qual era o objetivo?

O objetivo das feministas era ‘libertar’ as mulheres do ‘regime opressivo’ de serem donas de casa e serem forçadas a prestar serviços domésticos gratuitos aos maridos.

Elas pintaram o homem trabalhador como vivendo numa espécie de paraíso onde o marido descansava o dia todo no escritório, coçava o saco ouvindo MPB, arrotava bebendo guaraná de rolha e então voltava para casa no fim do dia para os braços de sua escrava (esposa).

E por que diabos os homens deixaram esse movimento ir adiante?

Apesar dos homens não estarem interessados em ceder a esse movimento baseado numa fantasia demente, eles não fizeram qualquer resistência, seja por paspalhice total ou por completo descaso. Assim, o feminismo foi ganhando espaço e alcançou uma forte mudança social.

Mas será que elas realmente buscavam o trabalho duro, ou queriam alcançar objetivos egoístas?

Ao estudarmos um pouco de história social, vemos que no passado as mulheres trabalharam (poucas vezes) em tarefas fora de casa. Isso mesmo. Há registros de algumas mulheres que trabalhavam fora.

Ou seja, se algumas trabalharam, era por que não havia proibição expressa. Elas não iriam para a cadeia se trabalhassem. E se algumas trabalhavam, isso coloca por terra o argumento feminista de que as mulheres eram “sempre proibidas de trabalhar”, pois, se eram SEMPRE proibidas de trabalhar, porque existem tais registros de mulheres que trabalhavam mesmo antes do feminismo?

Engulam essa.

Peraí Doutrina. Se há registros de algumas poucas mulheres que trabalhavam mesmo antes do feminismo, o que queria o movimento feminista afinal?

Te respondo com outra pergunta:

Notou que os registros de mulheres que trabalhavam fora em serviços pesados no passado são poucos e raros?

Se pesquisarem bem, verão que a maioria delas NÃO FAZIA os trabalhos pesados por opção própria, e não por proibição!

Não se viu mulheres pleiteando igualdade de oportunidades no trabalho duro, como no caso do trabalho em algumas mineradoras que exalavam gases tóxicos e matavam homens operários, ou na ESTIVA onde trabalhadores carregavam sacos pesados e morriam esmagados em acidentes, ou ainda em guerras onde os homens iam levar tiros no rabo nos fronts em nome da nação, e voltavam cegos ou com os membros amputados por granadas, enquanto elas tinham a “difícil” missão de ficar em casa.

As mulheres, nunca pleitearam a igualdade de oportunidades no trabalho reconhecidamente duro. Isso é um falácia que o feminismo criou, afinal, quem ia querer ir para as trincheiras da primeira guerra mundial levar tiro de fuzil no meio da bunda?

“O desejo de se livrar do trabalho era comum em todas as classes e sexos.

A Doutora Joanna Bourke da universidade de Birkbeck, Londres, estudou o diário de 5.000 mulheres que viveram entre 1860 e 1930. Durante aquele período a proporção de mulheres em trabalhos pagos caiu de 75% para 10%. Isto era considerado na época um GRANDE PASSO para A POPULAÇÃO FEMININA, uma opinião compartilhada pelas mulheres nos escritos que a doutora Bourke encontrou.

Libertadas de engenhos e fábricas, elas criaram uma nova base de poder em casa. Isso era, Doutora Bourke diz, “uma escolha deliberada… uma escolha que as davam grande prazer.”

Se as mulheres não iam em grandes números trabalhar no passado era porque AMBOS homens E MULHERES pensavam que esta era a melhor maneira de lidar com as circunstâncias que eles viviam

(David Thomas Livro “Not Guilty”)
Por: http://silviokoerich.blogspot.com

Sim, paspalhões.

Não existem passeatas feministas pelos direitos de serem soldados de guerra e levarem tiros no CU em fronts de batalha.

Elas queriam as cadeiras de escritório e o ar-condicionado, os trabalhos beneficiados e facilitados pela tecnologia em ascensão, que julgavam ser o paraíso. Era esse tipo de trabalho que elas queriam.

Como visto, as mulheres não eram oprimidas e impedidas de trabalhar no passado.

Clique no link acima e leia o post de Silvio Koerich com dados ricos e pesquisa sobre o assunto.

Peraí Doutrina, mas mesmo com toda a tecnologia não é fácil trabalhar e bater cartão!

Exatamente!

Quando as mulheres de fato conquistaram esse ‘direito’ e saíram em massa para o trabalho que julgavam ser o paraíso, caíram na real e viram que nem tudo eram “nuvens de algodão doce” e “unicórnios”!

A cadeira do escritório não era tão confortável quanto pensavam, e o ar-condicionado nem era tão refrescante assim. E era realmente um saco ter que bater cartão ás 8 da manhã para datilografar o dia todo! Antes, elas aturavam o marido apenas no final do dia. Agora, têm de aguentar o imbecil do chefe o dia todo. Muito esperto.

As mulheres estão vivendo agora no pesadelo de terem tudo que sempre quiseram.

Elas têm suas próprias carreiras, têm o seu próprio lugar, têm suas próprias contas e dívidas, dividem com os homens os trânsitos engarrafados, batem cartão todo santo dia nas empresas, conheceram os problemas psicológicos oriundos da estafa, conheceram os chefes arrogantes, certamente muito piores que seus maridos de antigamente, se estressam com montanhas e mais montanhas de tarefas, metas e prazos para cumprir, entre outras consequências.

Descobriram que o trabalho dos homens não era uma cadeira confortável de escritório e ar-condicionado o dia todo. Trabalhar fora é algo realmente difícil, mas agora é tarde para voltar atrás, assim como é impossível imaginar que as feministas admitam que isso tudo foi um erro, embora este seja um fato reconhecido até mesmo por algumas mulheres.

Link: Pesquisa mostra: felicidade da mulher cai ao menor nível da história

Mas e aí? Elas, como um todo, assumiram as conseqüências dessa trapalhada?

Não.

Agora, numa arrogância hipócrita, elas estão tentando imputar a nós homens as consequências dessa fantasia demente dos anos 50, de que trabalhar como os homens era o paraíso e ficar em casa fazendo tarefas domésticas (com o horário livre) era o inferno.

E quais são os frutos dessa conquista para a sociedade? Famílias desestruturadas, crianças criadas pelos avós ou sendo cuidadas por parentes, amigos ou babás, já que as mães não têm mais tempo de atender às obrigações maternas, homens sendo destruídos, libertinagem sexual e famílias sem o necessário suporte emocional sempre dado pela mulher ao longo da história.

Um preço alto, sem dúvida.

Mas elas assumem a responsabilidade pela desestruturação familiar com a ida da mulher para o mercado de trabalho?

Não! A culpa de tudo é dos homens que não possuem seios para amamentar.

Hoje em dia nós homens (e até mesmo as crianças) pagamos juntos a conta e também sofremos os prejuízos que o feminismo causou à sociedade familiar, quando o justo seria que apenas elas mesmas sofressem sozinhas as consequências de seus atos, pois cada um deve pagar o preço devido a suas próprias ações.

Mas é óbvio que, quando se mexe numa estrutura familiar consolidada, toda a instituição familiar é afetada.

Nós homens estamos FERRADOS então??

De certa forma, não.

Apesar delas sempre dizerem que a culpa de tudo é nossa e que o mundo é injusto porque os homens não têm seios para amamentar nem útero para conceber filhos, nem tudo está perdido.

Embora o estrago na instituição familiar seja uma triste realidade, ainda existe jeito do homem sair por cima dessa situação.

No próximo post, mostrarei qual a saída para os homens que vivem num mundo feminista e como podemos contra-atacar as atitudes egoístas do feminismo.

17 Respostas to “Porque o feminismo é um tiro no pé das mulheres (e da sociedade)?”

  1. Juliana Says:

    Gosto muito dos seus textos e da sua escrita, mas nesse post em especial você poderia ter argumentado melhor. Odeio o feminismo e não estou em busca de direitos iguais, então analise minha linha de raciocínio:Mulheres e Guerra1) Trata-se de uma escolha tanto racional quanto instintiva deixar a fêmea a parte das guerras. Elas carregam descendentes que perpetuam e preservam a espécie; 2) A força feminina é considerada bem inferior a masculina, de forma que não poderia ajudar muito se uma mulher for combater um oponente masculino;3) Os homens, ao lutar ao lado de sua mulher/companheira, poderiam racionalizar menos em função da tentativa de proteger suas esposas e assim seriam menos eficazes no combate. Ainda assim, existe caso e exemplos de mulheres que estão SIM combatendo em guerras.http://www.otempo.com.br/otempo/noticias/?IdEdicao=1397&IdCanal=8&IdSubCanal=&IdNoticia=119398&IdTipoNoticia=1Se a questão é ser ou não obrigatória essa participação, cabe vocês lutarem por esse direito, ou dever, já que se sentem lesados. Tal como as mulheres exigiram poder trabalhar (e como vc mesmo colocou, não puderem premeditar suas consequências). Você se utilizou de um argumento que inutilizava o objetivo da revolução feminista ao colocar casos de mulheres de mulheres que ja trabalhavam, alegando assim não ser proibido. Isso é óbvio. O feminismo que queimavam sutians, e buscava direitos iguais não correspondem a situação da maioria das mulheres daquela época. Ao contrário, foi uma revolução organizada por uma minoria de feministas BURGUESAS. As mulheres de classes inferiores já trabalhavam havia muito tempo, tal como você mesmo disse. Com o advento da Revolução Industrial, onde a força humana masculina se torna dispensável, ja temos exemplos de mulheres e crianças sendo utilizadas como mão de obra nas fábricas. Tenho certeza de que essas mulheres de classes inferiores que NÃO foram representadas, iriam sem sombra de dúvidas, preferir ficar em casa, esperando o marido chegar e cuidando da casa, pois essas sabiam o quanto é difícil, estressante e sacrificante trabalhar. O ponto é que; ou você utiliza do mesmo exemplo (numa mesma situação, classe ou social), daquelas que exigiram os mesmos direito e daquelas que de fato trabalhavam, ou utilize outro exemplo pra fortificar seu argumento.Estou querendo chegar a conclusão de que o feminismo não pode ser visto apenas como um movimento de sexo e sim de classe. E essa classe que achava que os homens (seus homens) tinham boas vidas fora da doméstica. Abraços, Juliana

  2. Doutrinador Says:

    Juliana,Valeu ae pelas visitas. Vou responder algumas coisas."Trata-se de uma escolha tanto racional quanto instintiva deixar a fêmea a parte das guerras. Elas carregam descendentes que perpetuam e preservam a espécie;"Concordo. Não questiono isso, e sim a motivação das feministas em querer igualdade naquilo que é cômodo… se elas quisessem realmente igualdade total lutariam para levar tiro nas guerras, o que não acontece."2) A força feminina é considerada bem inferior a masculina, de forma que não poderia ajudar muito se uma mulher for combater um oponente masculino;"Não justifica. Os combates de guerra em sua maioria são à mãos armadas. Força pra apertar um gatilho elas têm. Além disso, segundo o feminismo somos todos iguais."3) Os homens, ao lutar ao lado de sua mulher/companheira, poderiam racionalizar menos em função da tentativa de proteger suas esposas e assim seriam menos eficazes no combate."Ok.Ainda assim, existe caso e exemplos de mulheres que estão SIM combatendo em guerras.Pelo que li no artigo, ainda assim poucas mulheres combatem no front.Citação do próprio artigo:"Muitas mulheres em Warhorse trabalham em locais que tradicionalmente acomodam mulheres: o hospital da base, restaurante, almoxarifado e administração."Se a questão é ser ou não obrigatória essa participação, cabe vocês lutarem por esse direito, ou dever, já que se sentem lesados.Errado. Defender a nação em guerras e proteger a nossa família de um ataque invasor é um dever patriótico. O certo são as mulheres pedirem inclusão e direitos iguais para serem combatentes no front, e não os homens abdicarem desse dever.Não me sinto lesado pelo fato das mulheres não combaterem, apenas questiono o fato das feministas não fazerem questão disso, já que querem igualdade de oportunidade em tudo (como eu disse, levar bala na bunda ninguém quer, mas empregos em grandes corporações elas vão correndo exigir).Tal como as mulheres exigiram poder trabalhar (e como vc mesmo colocou, não puderem premeditar suas consequências).Coisa que o feminismo não admite.Ao contrário, foi uma revolução organizada por uma minoria de feministas BURGUESAS…Tenho certeza de que essas mulheres de classes inferiores que NÃO foram representadas… pois essas sabiam o quanto é difícil, estressante e sacrificante trabalhar.Pois é. Porém não é isso que diz o discurso oficial feminista, que diz representar todas as classes de mulheres e fala em nome do sexo feminino, por isso fiz questão de expor esse conflito de opiniões entre as próprias mulheres (feministas x não-feministas).Pena que poucas mulheres hoje dizem publicamente que o feminismo não as representa. O ponto é que; ou você utiliza do mesmo exemplo (numa mesma situação, classe ou social), daquelas que exigiram os mesmos direito e daquelas que de fato trabalhavam, ou utilize outro exemplo pra fortificar seu argumento.Estou querendo chegar a conclusão de que o feminismo não pode ser visto apenas como um movimento de sexo e sim de classe. E essa classe que achava que os homens (seus homens) tinham boas vidas fora da doméstica. Entendo seu ponto de vista, guria. Mas eu me baseio no discurso oficial feminista. Se elas dizem que representam todas as mulheres eu vou atacar este ponto e expor o erro delas com base em suas convicções (erradas ou não). Até acho bom que vc venha aqui dizer que as feministas não representam todas as mulheres, mas esse infelizmente não é o consenso geral. Lembrando q meu post não é contra as mulheres e sim contra as feministas, já que aceito que existem mulheres anti-feministas. Porém, devo me basear em destruir o idealismo feminista, portanto não posso desvirtuar o discurso delas. Mas suas exceções estão registradas aki.

  3. Doutrinador Says:

    Lembrando que eu concordo com mulheres não servirem em guerras, e não me sinto ofendido pelo fato delas não estarem compartilhando os buracos de bala na pele conosco. Concordo também que o desempenho delas é fisicamente inferior.Mas as feministas não rejeitam o trabalho em trincheiras de guerra por reconhecerem limitações físicas, e sim pq são arrogantes e hipócritas o bastante para querem igualdade apenas naquilo que é aparentemente cômodo. Ou seja, no trabalho bem remunerado e aparentemente mais cômodo somos todos iguais e a mulher é tão forte quanto o homem, mas nos piores trabalhos e que coloquem a vida em risco a mulher não pode participar por ser diferente e frágil.Isso não tem outro nome a não ser hipocrisia.

  4. Maringa Says:

    Bom, além de ler todo o post, li também os comentários, que de certa forma foram uma extensão do texto. Mais do que comentários, isso foi uma discussão, com bons argumentos dos dois lados. Mas acredito que você Doutrina venceu a discussão. Essa Juliana me pareceu uma feminista disfarçada. Um método antigo aliás… diz que é antifeminista, joga uma conversa a favor do feminismo e tenta fazer você se sentir falho. Releve.Mulheres (feministas) sempre reivindicaram igualdade de direitos, não de deveres. Querem os melhores trabalhos, mas não querem ir pra guerra levar tiro. Querem ter liberdade sexual, acham que se homem tem o direito de ter muitas parceiras, elas também tem esse direito. Mas continuam achando correto o homem pagar a conta. Elas são iguais quando o assunto é putaria, mas quando a igualdade vai contra elas, elas acham melhor voltarem pra dentro do casco, no papel de moças direitas e indefesas. Hipocrisia pura. Se mulher é igual ao homem na hora de trepar na balada, também deve ser igual na hora de pagar a conta – e não exigir cavalheirismos… por que nós seríamos cavalheiros se mulheres são IGUAIS a nós? Não faria sentido. O feminismo destrói a si mesmo. O título que você deu veio MUITO a calhar com o que o feminismo é de fato. Mas você, Doutrina, deu um bom passo pra destruir essa hipocrisia. To divulgando o texto.Abraço

  5. Doutrinador Says:

    Maringa,É por essas e outras que admiro tua inteligência.Excelente comentário irmão

  6. Tiago Onofre Says:

    Grande doutrina, realmente é uma ilusão achar o feminismo vai salvar o mundo, ou que os mesmo seria cor de rosa caso as mulheres mandassem.Eu já comentei esse assunto na comunidade, no qual chamei de "divórcio estrutural". http://www.orkut.com.br/Main#CommMsgs?cmm=7903831&tid=5358433213178037609&kw=divorcio&na=1&nst=1Enfim, acho que minha contribuição ao debate está escrita ai. E tmb usei como referencia pesquisas do Silvio.Um grande abraço.

  7. V for Vendetta Says:

    Muito bom!Bons argumentos e alguns embasados pelos do blog do silvio.Esperando pela 2a parte.

  8. Juliana Says:

    @MaringaIsto aqui não é uma competição, de forma que não estou ganhando e/ou perdendo do Doutrina. Se eu achasse que os textos desse blog são ofensivos á mim, não me daria ao trabalho de iniciar alguma discussão, eu simplesmente o ignoraria. Eu n joguei nenhuma conversa a favor do feminismo, ao contrário, sou completamente contra o feminismo. Tal como sou contra o machismo.Na resposta ao meu comentário, o Doutrina conseguiu resumir EXATAMENTE o que quis colocar: o feminismo NÃO foi de forma alguma representativo á todas as mulheres. Uma pequena parcela delas, que não premeditaram as conseqüências dos seus atos. Por isso sou contra o feminismo. Não sou misógena.Concordo COMPLETAMENTE com vc quando disse que as mulheres estão em busca de igualdade de direitos e não de deveres. E acho completamente absurdo. Se tivermos direitos a altos cargos de diretorias em grandes empresas, porque não temos o dever de pagar metade da conta? E qual é o problema quando um homem não cede a uma mulher lugar num ônibus lotado as 18:00 hs? Ele está cansado tal como ela. Se as mulheres querem liberdade sexual, porque exigem uma ligação no dia seguinte pós sexo? Tudo isso é babaquice feminina, sim. @DoutrinaQuando você disse que as feministas não fazem questão disso (das mulheres terem tão dever quanto os homens de combater no front da batalha), entendi onde você estava querendo chegar. Ou escolho ser aberta aos direitos iguais e esteja consciente de que isso me obriga aos mesmos deveres, ou eu aceito não ter os mesmo direitos e assim me congratulo por não precisar ter os mesmos deveres. Assumir uma das pontas sem abdicar a outra é sinal de controvérsia, e aí sim, feminismo barato. O problema Doutrina, como mulher, é saber viver nesta sociedade. Não posso simplesmente me tornar uma “dona de casa” a espera do marido que irá me guarnecer financeiramente e pessoalmente. Além de ser taxada socialmente como inútil, acho difícil haver um homem que queira servir á mim com tal propósito. Tento sim ter consciência de diversas coisas; pagar metade da conta, saber lidar sexualmente com esta demasiada abertura nos relacionamentos, exigir um homem que se porte como tal e saber fazer meu papel de mulher- não de feminista, mas é difícil. Quero ter filhos, cuidar deles, educá-los. Quero casar uma vez e viver somente com este homem. Quero infinitas coisas que hoje fazem parte de um mundo irreal. As feministas buscam direitos e esquecem dos deveres que vem agregados a eles, mas já aconteceu, esta aí; os papéis já estão tão invertidos, confusos e como lidar com isso? É algo que prejudica os homens, e do qual podemos sim nos considerar culpadas, como a própria desestruturação do lar, efeito e conseqüência direta dessa “revolução”, mas como lidar com esse cenário? Como mulher, é confuso, como homem leio aqui no seu blog. Abraços.

  9. Silver Says:

    A força física da mulher não é muito inferior a do homem. Isto é mais uma questão social do que biológica. Estão estudos da fisiologia do exercicio atuais ja constatando que se dois indivíduos possuem a mesma massa muscular, a capacidade de gerar força é a mesma. O que muda é o platô genético somente.

  10. ana.d.w Says:

    Uau, muito boa a postagem, esses dias mesmo estava comentando sobre isso aqui em casa. "O objetivo das feministas era 'libertar' as mulheres do 'regime opressivo' de serem donas de casa e serem forçadas a prestar serviços domésticos gratuitos aos maridos."… Acho que o feminismo só piorou a situação das mulheres. E sim, para nos é mais fácil culpar os homens pelos acorridos, separações e perda total do controle quando se trata dos filhos é um exemplo, do que culparmos a nos mesmas. Gostei muito da postagem, muito verdadeira, concordo com praticamente todas as palavras ditas. Parabéns:)

  11. Anonymous Says:

    homem sem mulher: um merdamulher sem homem: uma merdaum sempre vai depender do outro e fim de papo

  12. Heitor Says:

    Já diria o velho malandro Noel Rosa, lá nos anos 30:"Você vai se quiser…Você vai se quiser…Pois a mulherNão se deve obrigar a trabalhar,Mas não vai dizer depoisQue você não tem vestidoQue o jantar não dá pra doisTodo cargo masculinoDesde o grande ao pequeninoHoje em dia é da mulherE por causa dos palhaçosEla esquece que tem braçosNem cozinhar ela querOs direitos são iguais,Mas até nos tribunaisA mulher faz o que querCada um que cate o seuPois o homem já nasceuDando a costela à mulher"

  13. T I N I N Says:

    Toda forma radical de se defender algo em que se acredita é ignorancia.Antes de nos identificarmos por nossos sexos, devemos nos identificar como seres humanos, impares, diferentes por suas raizes culturas, personalidades, vivencias e tambem sexo.A mulher, desde os primórdios dos tempos foi considerada como a protetora, a fragil, a mais fraca fisicamente, e se assim tais conceitos existiram por anos e anos é porque há um propósito verdadeiro.Feministas mais ferrenhas em lutar pela causa, eram comprovadamente lésbicas?Se isto é verdade , então acho que elas deviam levantar suas bandeiras a favor delas mesmas com sua sexualidade e não com a nossa que tão bem estruturada ja vem desde que se entende existe a humanidade.Parece um jogo contraditórioimbecil das duas partes, as mulheres querendo evoluir e provar serem capazes do que nunca foram e os homens parados no tempo ou regredindo com relação a posição da mulher.Pow, nem elas nem voces estão certos.Como disse a Juliana , a questao é que existe uma sociedade e estamos inseridos nela, entao sem radicalismos ,né!Me sinto perdida entre estes dois extremos, pois nao me identifico com nenhum.O que tenho que admitir é que o texto esta correto em relação ao extremismo a que se prega o feminismo, mas incorreto ao não admitir que o mundo evoluiu e sua tranformação nos levou a ter direitos antes inaceitaveis.Penso que as vezes o silvio faz algumas indagações mais para "causar impacto", mexer com os nossos conceitos, e não por ser o que acredita realmente.O surpreendente é que ele consegue liberar em alguns,os mais terriveis e odiosos sentimentos, que mais parecem traumas do que qualquer outra coisa.É inteligente e tem poder carismatico…Tanto que até eu tenho raiva e o amo ao mesmo tempo.Aff , hoje curti o post, li um monte de vezes.Beijão a todosPaz aí galera!

  14. Mauricio Trindade Says:

    Novamente um artigo que especula bem sobre a realidade do feminismo, bem, para mim o principal erro do feminismo foi que assim que conseguiram o que queriam, depois não deram a liberdade de escolha para a mulher. Afinal, qual seria o propósito de tudo isso? Não seria para que as mulheres afinal serem felizes? Pois bem, pesquisas mostran que o feminismo deixou muitas mulheres infelizes.Até hoje as mulheres feministas insistem neste erro, o que era oara ser instrumento de libertação e emancipação feminina virou o vício escravizante de um modelo de vida egocênctrico.Aguardo as sugestões de contra-ataque.

  15. mariner Says:

    kkk, até aqui no blog do doutrinador essa demente babona da tinin vem falar merda, já não basta ela ficar enchendo o saco do sílvio lá no blogue dele e agora vem perturbar aqui tb com as idiotices dela, ela sabe que as feministas não passam de umas invejosas frustradas e vai em tudo qto é blog masculinista chorar suas pitangas! volta pra tua toca pra se chupar com a anônima, a sua companheira de ódio aos homens!

  16. Anonymous Says:

    Machista do caralho

  17. Anonymous Says:

    Engraçado como apesar de todos os ótimos e inteligentes argumentos do blog, algumas prostitutas não assumidas fazem questão de se fazerem de desintendidas, e logo começam a vomitar um monte de merda pelos dedos na internet.Fazer oque, né?

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s


%d bloggers like this: